Pandemia dá chance ao Brasil para reavivar seu sistema educacional, diz diretor da OCDE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Ainda que a suspensão das aulas presenciais por causa do novo coronavírus tenha impacto negativo na educação, Andreas Schleicher, uma das maiores autoridades em avaliação do ensino do mundo, diz acreditar que a pandemia pode ter trazido uma nova chance ao país.

Para o diretor de educação da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), depois de um período de acomodação com os resultados educacionais, o Brasil tem a oportunidade de reavivar os investimentos e políticas para a área.

“Com a pandemia, as famílias enxergaram uma face das escolas que muitas vezes ficava escondida: seu papel social, emocional. Acredito que isso possa resultar em um ambiente mais colaborativo entre escola e famílias e, consequentemente, em uma maior cobrança dos pais por melhorias na educação”, disse à Folha.

A última edição do Pisa, teste internacional de aprendizagem feito pela OCDE, mostrou que o desempenho dos estudantes brasileiros está estagnado há quase uma década. O Brasil ficou em 42º lugar na avaliação de leitura, em 53º em ciências e em 58º em matemática.

Schleicher diz que a principal oportunidade para país está em aproveitar a volta às aulas para investir em uma escola que não olhe apenas para o aprendizado das disciplinas tradicionais, mas no desenvolvimento socioemocional dos alunos.

Na última edição da prova, a OCDE decidiu avaliar também o pensamento criativo dos estudantes, e o Brasil tampouco saiu-se bem.

Nesta segunda (26), Schleicher participou de um webinário da Fundação Lemann e Abave (Associação Brasileira de Avaliação Educacional) para discutir sobre o futuro das avaliações educacionais em larga escala.

Em fevereiro, o sr. disse à Folha que o Brasil perdeu seu ímpeto de melhorar a qualidade do ensino. A pandemia agrava ainda mais o cenário educacional do país?

A situação não é tão diferente agora, mas o Brasil ganha uma nova chance de reavivar seu sistema educacional e não pode desperdiçá-la. Apesar de todos os prejuízos com a pandemia, um ganho foi as famílias enxergarem uma face das escolas que muitas vezes ficava escondida: seu papel social, emocional. Acredito que isso possa resultar em um ambiente mais colaborativo entre escola e famílias e, consequentemente, em uma maior cobrança dos pais por melhorias na educação.

É uma oportunidade para o Brasil mudar sua trajetória que, depois de alguns anos de avanço, tinha estagnado.

Outra vantagem é que o Brasil elaborou recentemente seu currículo nacional escolar e ele está muito bem feito. Vai ser importante para organizar os trabalhos na volta às aulas. É claro que vai exigir um trabalho duro e insistente, mas, se essa for a prioridade, há boas perspectivas. Precisamos pensar que a situação das nossas escolas hoje é a da nossa economia e da nossa sociedade de amanhã.

O Brasil é um dos países com maior tempo de aulas suspensas, isso não o coloca em situação mais grave que os demais?

Os riscos são óbvios e claros. E, no Brasil, o principal deles é de que os estudantes não continuem sua trajetória escolas, especialmente aqueles de famílias mais pobres que podem ter ficado afastados da vida escolar durante todo esse tempo.

Digo que para o Brasil a situação é mais grave porque já há um grande número de estudantes que não completam toda a trajetória educacional básica. Agora, o risco é que isso se intensifique e possa acontecer com alunos ainda mais jovens.

Para muitos estudantes, a escola é o único lugar de estabilidade. O fechamento delas é muito negativo, mas é preciso esforço para mostrar que a escola continua lá e vai voltar a acolhê-los.

No retorno das atividades, as avaliações diagnósticas que existem hoje no país serão suficientes para mapear os déficits de aprendizagem? Vamos ter de repensar essas avaliações?

O Brasil conseguiu construir um sistema robusto e confiável de avaliação, e avaliar é o único caminho para melhorar o nível educacional. O diagnóstico no retorno vai ter um papel fundamental, e precisamos ficar atentos a como serão essas avaliações, se elas vão precisar de ajustes.

Muitos especialistas dizem que a escola será diferente após a pademia. Nos países que já retomaram as aulas, há uma nova escola?

Sim, e a boa notícia é que muitos países conseguiram reabrir de forma segura as suas escolas e aprenderam a lidar com a pandemia. Elas aprenderam a funcionar com as novas regras, com o distanciamento social, com as máscaras. Sem perder o seu papel de socialização, de relação, de acolhimento.

A pandemia escancarou a necessidade de darmos mais importância para o desenvolvimento de habilidades socioemocionais. A crise sanitária mostrou como temos de ensinar as crianças a serem mais resilientes, criativas, corajosas, independentes. Não podemos perder esse aprendizado. Então, estamos vivendo a era de uma nova escola, que não vai ser vista mais só como um espaço de transmissão de conteúdo.

A pandemia acelerou mudanças na educação?

Com certeza. Além de ter trazido a urgência para o desenvolvimento dessas habilidades, ela acelerou a inovação tecnológica na educação.

Quanto a esse segundo ponto, porém, é preciso muito cuidado para não deixarmos estudantes e professores para trás. A tecnologia tem sido uma grande aliada do ensino e se aprendeu a utilizá-la de forma positiva, mas ela também acentuou a desigualdade educacional. Estudantes sem acesso a equipamentos e internet ficaram ainda mais excluídos.

Aceleramos uma mudança tecnológica que demoraria anos para ocorrer, mas, antes de seguirmos nessa trajetória, precisamos corrigir as desigualdades e oferecer oportunidades de acesso a todos.