Lira diz que ouvirá todas as opiniões sobre programa do livro didático

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Em meio à pressão de bolsonaristas para aprovação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou, nesta segunda-feira (15/2), que “racismo, preconceito e violência contra a mulher são abomináveis” e acrescentou que ouvirá todas as manifestações.

“Sou nordestino antes de tudo e penso também que o racismo, o preconceito e a violência contra a mulher são abomináveis e devem ser combatidos desde cedo”, escreveu Lira.

Aqui na Câmara a hora é do nós – e vamos ouvir e acolher todas as manifestações. A maioria prevalecerá como acontece na democracia. E o povo tem legitimidade de manifestar -se e mobilizar seus representantes.

— Arthur Lira (@ArthurLira_) February 15, 2021

“Aqui na Câmara a hora é do nós — e vamos ouvir e acolher todas as manifestações. A maioria prevalecerá como acontece na democracia. E o povo tem legitimidade de manifestar-se e mobilizar seus representantes”, acrescentou.

A hastag #LiraAprovaPNLD ficou em primeiro lugar nos trends topics do Twitter durante a manhã desta segunda-feira, com cerca de 19 mil menções até próximo ao meio-dia.

Weintraub diz que novos livros didáticos não terão “ideologia”
A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) criticou, na última sexta-feira (12/2), o edital do PNLD, que tirou dos critérios para a escolha das obras didáticas temas como violência contra mulher, racismo e preconceito regional.

A pedetista anunciou também que apresentou um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) para suspender o edital. “Pluralismo de ideias e respeito à diversidade são base da educação!”, escreveu a deputada.

O edital do Programa Nacional do Livro Didático tirou dos critérios p/ a escolha das obras temas como violência contra mulher, racismo e preconceito regional. Protocolei há pouco um PDL p/ suspender esse absurdo. Pluralismo de ideias e respeito à diversidade são base da educação!

— Tabata Amaral (@tabataamaralsp) February 13, 2021

Nesta segunda-feira, bolsonaristas resgataram a publicação da pedetista e começaram um movimento para pressionar o presidente da Câmara nas redes sociais. Lira foi eleito ao cargo com apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“O projeto do MEC para os livros didáticos é baseado em evidências científicas e por isso deixou de fora baboseiras ideológicas como a ideologia de gênero. A esquerda não gostou. Tabata e sua turma querem mudar. Precisamos reagir! #LiraAprovaPNLD”, escreveu Rodrigo Constantino.

O projeto do MEC para os livros didáticos é baseado em evidências científicas e por isso deixou de fora baboseiras ideológicas como a ideologia de gênero. A esquerda não gostou. Tabata e sua turma querem mudar. Precisamos reagir! #LiraAprovaPNLD

— Rodrigo Constantino (@Rconstantino) February 15, 2021

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, alinhado a Bolsonaro, também se manifestou. “Chega de doutrinação esquerdista nas escolas e nos livros didáticos. Se deixarmos, vão colocar até a tal da linguagem neutra nos livros escolares”, disse o petebista.

Essa tag tem que ficar o dia inteiro no topo. Chega de doutrinação esquerdista nas escolas e nos livros didáticos. Se deixarmos, vão colocar até a tal da linguagem neutra nos livros escolares. Estamos juntos nesta luta.#LiraAprovaPNLD

— Roberto Jefferson (@BobjeffHD) February 15, 2021

O PNLD é um programa do Ministério da Educação, junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), para a compra e distribuição de livros e materiais didáticos para professores e estudantes de escolas públicas de todo o país.