CAPES contribui para qualificação dos professores brasileiros

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Dia 15 de outubro é comemorado o Dia do Professor, profissão essencial para a preparação de todas as outras, para o amadurecimento dos cidadãos e para a construção do conhecimento. A relação da CAPES com essa data é bem mais forte do que se pensa. Mais conhecida por seu protagonismo na pós-graduação brasileira, desde 2007 a CAPES oferece formação inicial e continuada dos professores da educação básica de todo o País.

Mestrados Profissionais

Entre as prioridades da Fundação está a oferta do conjunto de Programas de Mestrado Profissional para Qualificação de Professores da Rede Pública de Educação Básica (ProEB). Os cursos são oferecidos por meio de uma grande rede nacional de instituições de ensino superior, que recebem o apoio da CAPES. Em 2020, o ProEB beneficiou 2.355 alunos, em 11 programas de mestrado profissional, de 107 instituições.

Silvia Gomes Silva de Jesus, professora de Química e mestre pelo Profqui, Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional, na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), conta que após a capacitação sente-se mais preparada e com novas perspectivas de crescimento profissional. “As metodologias utilizadas fizeram-nos acreditar que é possível fazer uma aula mais criativa, envolver mais o nosso aluno. O Profqui chegou para elevar a nossa autoestima, mostrar que é possível crescer na carreira do magistério”.

Superando distâncias

Outra iniciativa da CAPES que contribui para a Política Nacional de Formação de Professores é a Universidade Aberta do Brasil (UAB), que oferece cursos superiores por meio da educação a distância (EaD), estimulando parcerias entre os governos federal, estadual e municipal. Com 133 instituições de ensino superior participantes, a UAB já soma 121 mil alunos matriculados em cursos tecnológicos, de bacharelado, licenciatura e especialização. As vagas são prioritariamente voltadas aos profissionais da educação básica.

Ainda na modalidade EaD, a Fundação possui diversas parcerias para a formação de professores. Dentre elas, destacam-se os cursos Alfabetização Baseada na Ciência (ABC) e Práticas de Produção de Textos, com a Secretaria de Alfabetização do MEC, e o programa de capacitação sobre ensino virtual, com a Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Juntos, esses cursos somam mais de 360 mil inscritos.

Professores presentes

Já na modalidade presencial, desde 2009 o Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor) oferta cursos de licenciatura para professores em exercício de todo o País. O programa conta com 226 turmas em andamento em 158 municípios brasileiros.

A CAPES também investe na formação de professores por meio do Programa Institucional de Iniciação à Docência (Pibid), que concede bolsas para que alunos da primeira metade do curso de licenciatura desenvolvam projetos em escolas públicas. Nos mesmos moldes, mas para alunos da segunda metade do curso, existe o Programa de Residência Pedagógica.

Cláudia Queda de Toledo, presidente da CAPES, reforça o compromisso da Fundação na formação inicial e continuada dos professores, e o comprometimento do governo federal por uma educação de qualidade. “Como professora, não tenho dúvida em afirmar: somos protagonistas da transformação que qualquer país precisa e almeja. É por meio da dedicação das professoras e dos professores no aprendizado de crianças, adolescentes, jovens e adultos, que vamos construindo uma nação mais justa, igualitária e desenvolvida social e economicamente”.

Além dos profissionais da educação básica, a CAPES contribui com a formação de milhares de professores que atuam nos cursos de mestrado e doutorado, profissionais que participam de pesquisas financiadas pela Fundação, no Brasil e no Exterior.